terça-feira, junho 06, 2006

465) Peço licença para uma interrupção...

... e deixar de lado, temporariamente, meus temas diplomáticos, livrescos ou culturais. Como é o assunto do dia, vou tratar de vandalismo, depredações, invasão da chamada "Casa do Povo" (já foi mais...) e violência contra funcionários da segurança.
Estou falando, obviamente, dos atos perpetrados na Câmara dos Deputados, nesse dia emblemático (06/06/06, tem gente que faz ilações), por um grupo de arruaceiros arrebanhado pelo Movimento de Libertação dos Trabalhadores Sem Terra, dirigido pelo Secretário dos Movimentos Sociais do PT (mas que não precisaria ser, pois entendo que o PT já deixou a fase de quebrar vidros e atirar pedras).
As cenas são memoráveis, no pior sentido da palavra.
Primeiro a descrição fria dos fatos, tal como relatada por uma agência de imprensa:

"Sem-terra invadem, depredam e deixam feridos na Câmara
BRASÍLIA - Integrantes do Movimento pela Libertação dos Sem-Terra (MLST) invadiram e depredaram, na tarde desta terça-feira, a Câmara dos Deputados. O coordenador de Apoio Logístico do Departamento de Polícia Legislativa (Depol), Normando Fernandes, está na UTI com afundamento craniano frontal esquerdo e edema cerebral. Outros 24 também ficaram feridos. 545 integrantes do movimento foram presos, entre eles seis lideranças. Bruno Maranhão, que comandou a invasão é dirigente do PT.
Os presos foram recolhidos ao ginásio Nilson Nelson, onde ficaram sob custódia da Polícia Militar do Distrito Federal para serem identificados. Os que estiveram à frente dos atos de vandalismo poderão ser processados por tentativa de homicídio, danos ao patrimônio público e formação de quadrilha.
Vinte e seis seguranças saíram feridos do confronto. Eles estavam em menor número. Foram alvo de pedradas, pauladas e socos. O Coordenador de Logística do Departamento de Polícia (Depol) da Câmara, Normando Fernandes, foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Santa Lúcia, em Brasília, depois de ter sido atingido por uma pedra.
Outro agente de segurança quebrou a perna ao ser jogado de uma altura de cerca de três metros próximo a escada rolante que dá acesso à entrada do subsolo do Anexo 4. De acordo com informações da Secretaria de Comunicação da Câmara, dos 26 feridos atendidos pelo serviço médico, dois eram manifestantes e os demais seguranças.
Segundo o MLST, o grupo veio a Brasília para reivindicar a revogação da medida provisória que impede a vistoria em terras ocupadas e mais dinheiro para reforma agrária. Segundo ele, os manifestantes vieram da Bahia, de São Paulo e Minas Gerais.
Vandalismo
Os sem-terra destruíram um automóvel Uno no estacionamento do anexo 2, quebraram a porta de vidro e depredaram vários equipamentos, como os postos informatizados de atendimento ao público. Enquanto se dirigiam para o plenário da Casa, os manifestantes quebraram vasos de plantas, painéis e maquetes da exposição.
No plenário, o presidente da Câmara, deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP), avisou que iria negociar com os manifestantes enquanto eles não se retirarem do prédio. "Vou mandar prender todos. De preferência, pelos seguranças da Casa", afirmou.
Aldo conversou rapidamente o líder Bruno Maranhão, e avisou que não haveria negociação enquanto a Câmara estivesse ocupada, além de avisar que tinha dado a ordem para que todos fossem presos.
Após ser informado sobre a ordem de prisão, Maranhão pediu para que os manifestantes deixassem a Câmara e se concentrassem em frente ao prédio do Congresso.
Em frente ao prédio do Congresso, policiais da Câmara prenderam Bruno Maranhão, que passou mal e caiu no chão. Maranhão foi abordado por oito policiais da Câmara que lhe deram ordem para acompanhá-los.
Ele se negou a obedecer a ordem dos policiais e foi agarrado por um dos agentes, que o dominou com uma "gravata". Os policiais começaram, então, a carregar Maranhão até um veículo do serviço de segurança. Foi quando Maranhão começou a passar mal e caiu no chão. Os policiais chamaram uma ambulância.
Dissidência
O MLST é uma dissidência do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem-terra. Atua principalmente no Estado de Pernambuco. Surgiu em agosto de 1997 e é formado por militantes de esquerda e por ex-lideranças do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O movimento tem representantes em Goiás, Minas Gerais, São Paulo e Maranhão. O movimento tem melhor organização no estado brasileiro de Pernambuco.
O movimento já invadiu, em abril do ano passado, o Ministério da Fazenda, em Brasília. A ocupação também foi comandada por Bruno Maranhão. Cerca de 1.200 manifestantes tomaram todos os andares do prédio, reivindicando a liberação de recursos para a reforma agrária.
Depois de seis horas de ocupação o grupo deixou o prédio. Conseguiu apenas a promessa de uma audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os ministros da Fazenda e do Desenvolvimento Agrário."

Agora, uma transcrição de notas da coluna de Claudio Humberto (não frequento o personagem, mas recebi estas notas de um colega:

Vândalos freqüentam o Planalto
http://www.claudiohumberto.com.br/
06/06/2006 | 18:44

O "Movimento de Libertação dos Trabalhadores Sem Terra" (MLST), que invadiu, depredou e agrediu pessoas no Congresso Nacional, na tarde de hoje, é uma espécie de linha auxiliar do PT. Já foi recebido pelo presidente Lula oficialmente, em alguns ocasiões (como mostra a foto de Antônio Cruz/Agência Brasil, de 9 de julho de 2004), ou pessoalmente, por meio de seu principal líder, Bruno Maranhão, amigo pessoal do presidente, um dos coordenadores de sua campanha de reeleição e de ser secretário nacional de Movimentos Populares do PT.

06/06/2006 | 16:53 http://www.claudiohumberto.com.br/
Maranhão é secretário nacional do PT
O chefe da invasão ao prédio do Congresso Nacional, Bruno Maranhão, cuja ação provocou danos materiais e ferimentos em duas dezenas de pessoas, é o atual secretário nacional de Movimentos Populares do Partido dos Trabalhadores. Ex-PCBR e ex-exilado político voluntário em Paris, Maranhão é um dos fundadores do PT e grande amigo do presidente Lula, com quem almoça e bebe freqüentemente.

06/06/2006 | 16:45
Lula usou o boné dos baderneiros
O presidente Lula recebeu no Palácio do Planalto alguns líderes do tal "Movimento de Libertação dos Trabalhadores Sem Terra (MLST)" e não apenas usou um boné dessa seita maoista como até agitou uma bandeira que lhe foi entregue. O fato ocorreu em 9 de julho de 2004. Ao sair do encontro, um dos porraloucas que lidera o MLST, Hélio Freitas, declarou satisfeito: "A estratégia do governo Lula para desenvolver o campo e a nossa são a mesma".

06/06/2006 | 16:29
Chefe da baderna é do PT e amigo de Lula
O pernambucano que liderou a invasão e depredação da Câmara dos Deputados, Bruno Maranhão, é filiado ao PT do seu estado, milita na CUT e integra a coordenação da campanha de reeleição do presidente Lula. No plenário da Câmara, agora há pouco, o deputado Ronaldo Caiado (PFL-GO) foi o primeiro a mencionar não apenas o nome de Maranhão, mas também o fato de o líder dos baderneiros ser freqüentador de almoços e jantares com o presidente Lula."

Farei comentários oportunamente.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home