domingo, abril 16, 2006

366) Um diálogo sobre a globalização

Intercâmbio de idéias nunca faz mal

Transcrevo abaixo um diálogo com um dos meus leitores, a partir de perguntas elaboradas anteriormente e que tinham permanecido sem respostas. Tentarei ser breve, mas suficientemente claro para permitir a compreensão de meus pontos de vista.
As perguntas numeradas são as que eu tinha elaborado em 12 de janeiro de 2006 (1530), sob o título “Perguntas impertinentes a colegas que me acusam de ser ‘liberal fundamentalista’”, e que tinham sido postadas em meu primeiro blog, sob nr. 154, neste link: http://paulomre.blogspot.com/2006/01/154-perguntas-impertinentes-colegas.html. Elas estavam, justamente, concebidas como perguntas incômodas aos que defendem as posições do movimento anti-globalizador, que são em geral também contra a abertura econômica. Em versão diferente, mas com as mesmas perguntas, elas foram publicadas sob o título “Perguntas impertinentes a um amigo anti-globalizador”, no boletim Relnet (no. 13, 2006; no link: http://www.relnet.com.br/Arquivos/html/2006/08020604almeida-glob.html). Aparentemente, elas estarão sendo republicadas no Meridiano 47 - Boletim de Análise da Conjuntura em Relações Internacionais (Brasília: Instituto Brasileiro de Relações Internacionais, ISSN 1518-1219, nº 65, dezembro 2005, p. 2-4; link: ).
Quem me responde, identificado abaixo como RR, é o Roberto Ruiz, que se apresenta como sou doutorando em Economia em uma escola Ortodoxa de SP. Ele me disse, em mensagem de 15 de abril de 2006, que gostaria de dialogar sobre o assunto.
Pois não, com prazer: meus novos comentários seguem abaixo com a sigla PRA.
Paulo Roberto de Almeida


1. Quais são as evidências materiais, ou seja, provas estatísticas, dados quantificáveis, observáveis e verificáveis, de que a globalização, como pretendem os anti, aprofunda a miséria, cria mais desemprego e acarreta mais desigualdades no mundo? Isso vale tanto para dentro dos países, como entre os países, esclareço.

RR: Quais são os dados provando o contrário? A globalização construiu riqueza aonde? É só pegar Amarthya Sen nos EU para ver como a globalização impós miséria nos EU e AL pós 90 a miséria que causou....

PRA: Existem muitos dados sobre a criação de riqueza pela globalização, sendo os dois exemplos mais eloquentes dados pela China e pela Índia. Veja meu trabalho nº 1574, “Sorry, antiglobalizadores: a pobreza mundial tem declinado, ponto!”, apresentando, resumindo e discutindo o estudo de Xavier Sala-i-Martin, “The World Distribution of Income: Falling Poverty and... Convergence, Period”, The Quarterly Journal of Economics (vol. 126, nº 2, 2006; link: http://www.columbia.edu/~xs23/papers/pdfs/World_Income_Distribution_QJE.pdf), com comentários adicionais sobre o processo de globalização; disponível no site pessoal (link: http://www.pralmeida.org/05DocsPRA/1574DistribRendaMund.pdf). Tenho vários outros trabalhos sobre o assunto, alguns deles citados nesse mesmo.

2. Se as políticas liberais só conseguem produzir recessão e desemprego, privilegiando unicamente os setores financeiros – o capital financeiro monopolista internacional, como se dizia antigamente –, por que, exatamente, os países que mais crescem e que ostentam as menores taxas de desemprego são, justamente, esses ditos “neoliberais”?

RR: Quais países são estes? Desconheço. Na última tabela dos 10 países mais competitivos do Forum Econômico apareciam mais países de bem-estar social do que liberais (Canada, Finlândia, Suécia, ...). Cidades estado (Singapura, HK) são uma análise a parte.

PRA: Recomendo uma consulta aos dados da OCDE e de sites do gênero. Ou se desejar pegue qualquer The Economist: as taxas de crescimento de países como EUA, GB, NZ, Austrália e alguns outros são bem superiores aos da Europa, que contínua no pântano, em virtude de estruturas rígidas. Os países asiáticos não podem ser descritos como liberais, ainda, mas estão crescendo, justamente, por se inserirem de modo mais afirmado nos circuitos da globalização.

3. Se o “consenso de Washington” fracassou redondamente na América Latina, por que os países que mais são contrários às suas regras não são, longe disso, exemplos de crescimento, de dinamismo e de inserção competitiva na economia internacional? E por que, a contrário senso, os países que mais se identificaram com essas medidas “neoliberais”, a começar pelo Chile, conseguem ostentar taxas sustentadas de crescimento ao mesmo tempo em que fazem progressos no caminho da redução das desigualdades distributivas e da qualificação competitiva de suas economias?

RR: O Chile teva alto aumento das desigualdades distributivas (há vasta literatura sobre o assunto) e a qualificação competitiva é em produtos de baixo valor agregado (salmão, frutas e minérios).... vinho (é produto artesanal???). Algum outro exemplo na AL de país neoliberal bem sucedido - não vejo Chile crescendo na cadeia de valor internacional, enfim, teve um êxito relativo?

PRA: Você está muito enganado quanto ao desempenho econômico chileno. É o único país da América Latina que está reduzindo as desigualdades, justamente com suas políticas de abertura econômica e de inserção na globalização. Quanto aos produtos que você cita, eles têm, justamente, alto valor agregado, todos eles, independente de serem do primário. Não creio que existam mais países liberais na América Latina: o México se abriu e cresceu muito, tem um comércio exterior muito superior ao do Brasil – com o mesmo PIB – e por isso já tem investment grade.

4. Se os processos de abertura econômica e de liberalização comercial significam, ipso facto, sucateamento da indústria e desmantelamento de setores inteiros da economia nacional, como explicar as evidências de que países que adotaram essas medidas de modo unilateral, como o Brasil do início dos anos 1990, por exemplo, registraram, nesses anos justamente, as maiores taxas de crescimento da produtividade, além de ganhos significativos e comprovados de competitividade internacional?

RR: Poderia definir produtividade? Lembro de plano Collor como crise geral e decrescimo de PIB de 4,5%.

PRA: Qualquer economista define produtividade, como sendo a produção agregada dividida pelo número de homens/hora de trabalho. Os indicadores de crescimento de produtividade do Brasil foram elevados no início dos anos 1990, com a abertura e início da privatização, depois eles voltaram a cair. Leia o último estudo da CNI sobre esse aspecto, comparando países, justamente.

5. Se as regras liberais impõem, como acusam os anti-globalizadores, total liberdade aos movimentos de capitais e a plena abertura cambial, o que facilitaria as atividades especulativas nos mercados de divisas, como explicar o fato que de que a Argentina, no auge do seu “fundamentalismo liberal”, impunha a rigidez cambial, em direção oposta aos regimes cambiais praticados pela maior parte dos países e contrariamente ao que sempre prega o FMI em caso de correção de desequilíbrios de balanço de pagamentos?

RR: Que período o Sr. refere? Poderia especificar o governo e ministro?

PRA: Todo mundo sabe que a política cambial argentina, de 1991 a 2001, foi de rigidez cambial. País único no mundo, pois o FMI sempre recomenda desvalorização para os casos de desajuste. Acusar a Argentina de neoliberal por manter o câmbio fixo é de uma incompreensão total do que significa neoliberalismo, que se bate justamente por regras de mercado. É o mercado que deve ditar o câmbio, não os governos.

6. Se a flexibilização neoliberal do mercado de trabalho produz desemprego e perda de direitos consagrados, resultando em precarização ampliada das relações de trabalho e terceirização, por que os países que mais adotaram essa postura são os que exibem as menores taxas de desemprego e o maior crescimento da produtividade do trabalho?

RR: Bem, China tem baixa taxa de desemprego e jornadas de 14 horas 24x7 sem adicional noturno ou benefício fora da provincia de nascimento. Tem uma questão quantitativa e qualitativa misturada.

PRA: Todos os países de regras laborais mais flexíveis têm menores taxas de desemprego. Consulte os dados da OCDE a esse respeito. A China está em transição e não pode ser meodelo para absolutamente nada, a não ser o fato de que abertura traz crescimento.

7. Se o livre-comércio internacional acarreta desigualdades crescentes e dependência de empresas multinacionais, o que compromete políticas públicas, macroeconômicas e setoriais, por que os países, ou melhor, as economias que mais se inseriram nos fluxos internacionais de intercâmbio comercial são as que melhoraram de padrão de vida, viram o surgimento de suas próprias multinacionais e diminuíram, justamente, sua dependência de alguns poucos mercados de matérias-primas ou manufaturados leves, que são dominados por alguns poucos oligopolistas mundiais?

RR: Muito abstrato, quais são os exemplos de paises que criaram multinacionais baseados em livre comércio? Coréia criou com reserva de mercado violenta, China tb (obrigação de joint venture 50% Estado).

PRA: Dois exemplos não fazem maioria. O processo histórico de criação de multinacionais se dá quando os países se inserem nos mercados globais. Foi assim com a GB, com os EUA, com a Alemanha e outros países. Coréia e China estão justamente criando multinacionais ao se inserirem de modo mais afirmado nos circuitos de comércio internacional. O Brasil também, aliás.

8. Se os direitos de propriedade intelectual são inerentemente injustos, transferindo renda dos países mais pobres para os mais ricos, condenando os primeiros a uma “eterna dependência tecnológica” dos segundos, por que países como China e Índia, que são ainda relativamente pobres para os padrões internacionais, estão aderindo de forma crescente a normas mais elevadas de proteção patentária?

RR: CONCORDAMOS... quando o Brasil copiar o suficiente como China e India podemos aderir de forma "lenta gradual e progressiva" aos direitos de PI. Trabalhava em uma grande multinacional escandinávia de telecom e a Huawai copiava centrais sem a menor cerimônia. Hoje eles podem aceitar as patentes. Brasil produziu algum vendor de telecom depois de décadas de Sist. Telebrás?

PRA: O Brasil já tem status de criatividade para reforçar os direitos de PI. China e Índia estão justamente fazendo isso. Chega um momento em que a cópia é naturalmente substituída pela adaptação, pela inovação e pela invenção.

9. Se os investimentos estrangeiros são criadores de maior dependência econômica e de remessa ampliada de divisas e de royalties para o exterior, por que tantos países em desenvolvimento vêm aumentando o volume e a qualidade da proteção dada ao IDE, assinando acordos de garantia de investimentos e assegurando livre transferência dos resultados produzidos?

RR: Nem um extremo nem outro, investimento estrangeiro deve ser tratado pontualmente: área interessam outras não. Alto valor agregado e transferência de tecnologia podem vir...maquiladoras ou pagando impostos ou não obrigado.

PRA: Você também acredita que burocratas devem ditar aos empresários o que eles devem fazer com o dinheiro deles? Por que simplesmente não permitir que os investimentos se façam livremente, em função das oportunidades percebidas. Ou você acha que os planejadores governamentais sabem melhor do que os donos do dinheiro?

10. Se já existem evidências concretas de que as políticas agrícolas, subvencionistas e protecionistas, de países desenvolvidos, como os EUA, a União Européia e o Japão, entre outros, são absolutamente condenáveis, em primeiro lugar em função de sua inerente irracionalidade econômica, em segundo e principal lugar em virtude do enorme prejuízo trazido aos países mais pobres, por que os movimentos anti-globalizadores, que dizem atuar em prol do desenvolvimento e da inserção dos mais pobres e do bem estar de suas populações, não são mais incisivos na oposição a essas políticas?

RR: realismo político.

PRA: Eles estão sendo conviventes com um crime, que é o de impedir a qualificação produtiva dos países mais pobres, geralmente africanos. Aliás, por simples medida de racionalidade econômica, os países também deveriam abolir o protecionismo agrícola: sairia mais barato para eles importar do que produzir internamente. Numa palavra: toda a sociedade está sendo refém de um punhado de agricultores que, na verdade, são assalariados do Estado.

11. Se os países em desenvolvimento são, por definição e historicamente, importadores líquidos de capitais dos países mais ricos, por que os movimentos anti-globalizadores insistem tanto na adoção de uma taxação internacional sobre os movimentos de capitais, sabendo-se que esse novo imposto irá necessariamente aumentar o custo dos empréstimos e de captação de recursos financeiros nos mercados livres?

RR: Há uma diferente de hot money e investimento, É preciso trabalhar as duas coisas em separado.

PRA: Por certo que existem diferentes tipos de investimento, mas isso não elimina o fato de que o custo da taxação será absorvida pelo país importador de capital, apenas isso.

12. Finalmente, se mercados livres já provaram, ao longo da história, sua funcionalidade absoluta do ponto de vista da modernização tecnológica, dos ganhos de oportunidade, da distribuição de renda via especialização produtiva e outros benefícios indiretos da livre circulação de fatores, por que os anti-globalizadores, e com eles o contingente bem maior de protecionistas de todos os tipos, insistem tanto na administração política dos mercados internacionais, como se os governos soubessem melhor do que agentes econômicos ou do que os indivíduos consumidores o que é melhor para o bem estar dos cidadãos dos mais diversos países?

RR: Desculpe, se o Sr. ler H.J. Chang, Robert Wade e muitos mais, a história nunca provou a funcionalidade dos livres mercado como promotor de Pareto..... Governos não sabem melhor que os agentes, as instituições estruturadas procuram minimizar os problemas com uma posição neutra na sociedade. O mercado possui a leitura singular do interesse no curto prazo. Voltando as raízes, é a leitura de Adam Smith em Riqueza das Nações sem a Teoria dos Sentimentos morais, o homem não tem compaixão pelo próximo no médio prazo, seu egoísmo é maior do que qualquer sentimento. Não sou contra globalização, mas não apoio o liberalismo.

PRA: Surpreendentemente contraditório: o Chang faz uma leitura seletiva dos dados da história e não consegue desmentir Adam Smith: ele simplesmente contorna o problema. Mercados sempre agem no curto prazo, pois são o resultado do comportamento de indivíduos buscando maximizar o seu bem-estar. Sempre foi assim e sempre será assim. A visão supostamente onisciente dos governos querendo “corrigir” os mercados sempre faz mais mal, pois que produz o que os economistas chamam de “misallocations”. Se você não é contra a globalização, já está sendo a favor do liberalismo, pois o que você pretende colocar no lugar da globalização? Comércio administrado, economias dirigidas?

Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 16 de abril de 2006. å

1 Comments:

Blogger Ricardo Rayol said...

Isso qeu eu chamo de papo cabeça. Pena que o forum não é mais amplo. Feliz Páscoa!!!

domingo, abril 16, 2006 9:26:00 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home