sexta-feira, maio 19, 2006

431) Cursos de RI no Brasil: algumas perguntas...

O estudo de relações internacionais no Brasil
Respostas a um Questionário


Respostas a questões colocadas por um aluno de RI de SP

1. Qual a sua visão (pessoal) sobre o curso de RI?
PRA: Pode ser uma boa contribuição para a formação de especialistas em questões internacionais no Brasil, país relativamente fechado à economia mundial. De fato, a maior parte dos cursos de RI no Brasil foram e são oferecidos por instituições privadas, que visam preencher um nicho de mercado que não estava sendo suficientemente atendido pelas faculdades públicas. Ou seja, o que as motivou foram preocupações essencialmente mercantis, o que não impede que possam surgir bons cursos nessa área, mas talvez seja muito cedo par se fazer uma avaliação comparativa das dezenas de cursos existentes nesse área.
Minha visão pessoal é a de que existe um certo exagero quanto à possivel absorção pelo mercado dessas centenas ou talvez milhares de estudantes que estão se formando cada ano nos muitos cursos que se constituiram desde meados dos anos 1990, ou seja, nos últimos dez anos, grosso modo. O mercado é relativamente restrito na parte governamental (diplomacia, analistas de comércio exterior ou de inteligência), na de organizações internacionais e no que se refere à própria academia (que absorveu certo número de egressos na medida em que os próprios cursos estava se expandindo, mas esse ritmo tende a diminuir), podendo, e de fato devendo, ser maior na vertende empresarial privada. Mas não tenho certeza de que os internacionalistas possam atender a todos os requisitos das empresas.

2. Quais são suas expectativas para o futuro do mesmo e de seus futuros egressos?
PRA: Não tenho uma visão clara sobre a evolução dos cursos de RI. Seria preciso conduzir uma pesquisa junto às instituições que já formaram diversas turmas, para verificar em que estão trabalhando seus egressos, de maneira a poder balizar algumas tendências quanto à evolução futura desses cursos.
Minha percepção é a de que pode estar ocorrendo um fenômeno de saturação de mercado, e talvez ocorra algum pequeno refluxo na oferta de novos cursos ou de vagas, após o que deverá ocorrer algumas especializações “regionais” ou setoriais, em função das demandas locais, com ênfase mais empresarial em alguns grandes centros de negócios e dedicação mais acadêmica, ou “política”, em outros centros. Sem uma pesquisa junto aos próprios egressos, que poderia ser conduzida por entidades como a FENERI ou ABRI, fica difícil opinar sobre tendências futuras.

3. Em que nível o curso de RI no Brasil se encontra hoje perante o das faculdades internacionais?
PRA: Creio que nosso estágio ainda é inicial, o que pode ser indiretamente comprovado pela bibliografia disponível. Ela ainda é relativamente restrita, faltando aquilo que na linguagem acadêmica americana, se chama de text-book, ou seja, manuais sistemáticos para o estudo das diferentes disciplinas integrando as RI. Ainda que alguns centros de estudo pretendam que existe uma “escola de RI” de tal ou qual local, não creio que esse tipo de afirmação se sustente em vista da elaboração reflexiva e metodológica ainda relativamente incipiente nessa área.
Teremos de acumular muitas monografias e estudos sistemáticos, ademais de muita pesquisa histórica e estudos de terreno – isto é, empiricamente embasados – para poder pretender rivalizar com os grandes centros de produção existentes no hemisfério norte.

4. Partindo do fato que a UnB foi a primeira faculdade a ter o curso de RI na América Latina e fez a algum tempo atrás uma mudança no seu currículo, o Sr. acha que as outras universidades deveriam modificar os seus também? Por quê?
PRA: Creio que as instituições, em coordenação com a CAPES, e auxiliadas pelas associações profissionais da área, deveriam fazer avaliações amplas sobre o funcionamento dos cursos e seus padrões curriculares. Algum núcleo básico, relativamente homogêneo, deve existir, mas a partir daí as instituições devem poder estabelecer especializações diversas em seus cursos, de modo a suprir demandas específicos dos diferentes nichos de mercado que podem variar de uma região a outra do país.
Ou seja, o ideal é se dispor de um núcleo comum e um leque de opções diversas, nas diferentes vertentes disciplinares e setoriais que compõem as RI, de forma a assegurar flexibilidade e capacidade adaptativa às diferentes necessidades locais.

Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 19 de maio de 2006

1 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Hi! Just want to say what a nice site. Bye, see you soon.
»

segunda-feira, julho 03, 2006 8:51:00 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home